o que é um endowment

O endowment, em uma rápida definição, consiste na criação de um patrimônio perpétuo que gera recursos contínuos para a conservação, expansão e promoção de uma determinada atividade, por meio da utilização dos rendimentos desse patrimônio.

A geração contínua de recursos diferencia o endowment de formas tradicionais de filantropia, as quais envolvem tipicamente a doação de recursos para um objetivo pré-determinado como a construção de um laboratório para pesquisas, a reforma de uma instalação específica, a implementação de um determinado projeto.


Cada Real doado ao Endowment DIREITO GV seguirá rendendo frutos e beneficiando alunos para sempre.

funcionamento



Infografico


  1. Recursos financeiros: captação de recursos financeiros para o fundo com pessoas físicas e jurídicas.

  2. Aplicação: aplicação dos recursos no mercado financeiro.

  3. Rendimento: o lucro das aplicações financiam as bolsas para alunos, sem diminuir o patrimônio inicial.

  4. Para onde vai o dinheiro: alunos que passam no processo seletivo e recebem isenção de mensalidade poderão se manter durante os três primeiros anos do curso com os recursos do endowment, período este que não é possível fazer estágio.

Nós não inventamos a roda: O Endowment DIREITO GV segue o exemplo exitoso adotado em instituições de ensino superior ao redor do mundo como Harvard, Oxford, Cambridge e MIT, as quais obtém parcela relevante de seus orçamentos anuais da rentabilidade de seus endowments.

politica de investimento

Para se alcançar os objetivos típicos de um endowment, a administração financeira dos recursos aportados no endowment deve perseguir dois objetivos conflitantes entre si: promover fluxos constantes de recursos para financiar as atividades a que o endowment se destina e, ao mesmo tempo, buscar o crescimento ou, ao menos, a preservação do poder aquisitivo do patrimônio.

A preservação do patrimônio requer uma busca por investimentos com altos retornos, o que implica a aceitação do risco e volatilidade que naturalmente acompanham esse tipo de investimento. Por outro lado, o suporte financeiro dos projetos do endowment pressupõe a existência de fluxos constantes e previsíveis. A realização desses fluxos exige uma redução de risco e volatilidade da carteira de ativos para permitir retiradas periódicas.

Para alcançar estes dois objetivos aparentemente antagônicos, o Endowment DIREITO GV deve estabelecer e perseguir dois pilares fundamentais para que os recursos sejam preservados e, ao mesmo, gerem rendimentos suficientes para atender aos seus objetivos institucionais.

Pilar 1: Investimento responsável

Os endowments trabalham com uma vantagem estratégica sobre os demais players do mercado: seu horizonte de investimento é de longuíssimo prazo, tendendo à perpetuidade, o que lhe permite maior capacidade de tolerar volatilidade de curto prazo. Assim, a política de investimento do Endowment DIREITO GV será desenhada de modo a triangular risco, retorno e ritmo de gastos, de forma a encontrar um equilíbrio entre os resgates do presente e a necessidade de resgates no futuro. Dessa maneira, o benchmark a ser perseguido pelo endowment será sempre uma rentabilidade global superior à inflação, acrescida do percentual anual de resgates necessários para a consecução dos seus objetivos.

Pilar 2: Resgate responsável

Após a alocação dos recursos, as aplicações realizadas pelo endowment passam a gerar recursos mensalmente, levando os administradores do endowment à seguinte questão: qual o percentual do total dos rendimentos mensais poderão ser resgatados para aplicação nas atividades do Endowment DIREITO GV?

Dessa forma, o segundo pilar fundamental para a administração dos recursos do endowment é a criação de uma regra inteligente de resgate que estabeleça os fluxos livres a serem resgatados mensalmente pelo endowment, sem afetar o patrimônio original do fundo.


A manutenção do aluno durante o curso

Democratizar o acesso ao ensino superior significa, também, oferecer as condições mínimas para que um aluno consiga arcar com os custos indiretos de um curso superior. Os custos indiretos envolvem não apenas aqueles relacionados com transporte, livros, moradia, alimentação e etc. No caso específico da DIREITO GV, o curso em tempo integral impede que os alunos mantenham atividades profissionais nos períodos fora da sala de aula.

Para resolver esta questão, o Endowment DIREITO GV oferece aos alunos que apresentem comprovada necessidade financeira, bolsas manutenção no valor de até R$ 850,00 (oitocentos e cinqüenta reais) mensais. A bolsa manutenção auxilia o aluno a arcar com os custos indiretos do seu curso, liberando o tempo para que se dedique de forma integral à universidade.

A bolsa manutenção é um investimento do Endowment DIREITO GV nos alunos e no seu potencial de transformar a realidade brasileira. Por essa razão, a bolsa manutenção é não-reembolsável (o que significa que o aluno não tem a obrigação de devolver os recursos recebidos ao Endowment DIREITO GV ao término do seu curso de graduação).

Ary Oswaldo Mattos Filho

Possui graduação em Direito pela Universidade de São Paulo (1965), mestrado em Direito Comercial pela Universidade de São Paulo (1969), mestrado em Direito - Harvard University (1969) e doutorado em Direito Tributário pela Universidade de São Paulo (1973). Foi presidente da Comissão de Valores Mobiliários, membro do Conselho Monetário Nacional (1990-1992) e membro da Comissão de Privatização. Fundou a Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas - EDESP/FGV e foi seu diretor por 5 anos. É autor de inúmeros artigos publicados em periódicos especializados. Atualmente é professor titular da EDESP/FGV, árbitro do Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem e da Câmara de Arbitragem do Mercado, associado da Academia Brasileira de Direito Tributário e associado efetivo do Instituto dos Advogados de São Paulo.

Caio Mario da Silva Pereira Neto

 

Marina Moraes Abreu Ferreira

Possui graduação e licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1976) e especialização em Educação em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da USP (1979). Trabalhou nas Secretarias de Estado e Municipal da Saúde de SP (1981-1997). É consultora na área de saúde ocupacional de empresas.

Rafael de Almeida Rosa Andrade

Possui graduação em Direito pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (2009) e é mestrando em direito comercial na Faculdade de Direito da USP. É atualmente advogado associado ao escritório Stocche Forbes Advogados, atuando na área de fusões e aquisições e mercado de capitais. É co-autor do livro “Poder Judiciário e Desenvolvimento do Mercado de Capitais”, publicado em 2008 pela editora Saraiva, além de outros artigos publicados em periódicos especializados. Vencedor dos concursos de monografia promovidos pela BM&F Bovespa e pela Fundação Getúlio Vargas nos anos de 2007 e 2008. É membro da Ordem dos Advogados do Brasil e do Instituto dos Advogados de São Paulo.

Augusta Caldeira Mahfuz

Possui graduação em Direito e pós-graduação lato sensu em Tributação dos Negócios de Tecnologia e Propriedade Intelectual, ambos pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas - EDESP/FGV (2011). É membro da Ordem dos Advogados do Brasil, e atua como advogada na área de Direito Tributário.

Luisa Moraes Abreu Ferreira

Possui graduação em Direito pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas - EDESP/FGV (2009) e é mestranda em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. É advogada e pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre o Crime e a Pena da EDESP/FGV e autora de artigos publicados em revistas especializadas.

Oscar Vilhena Vieira

Possui graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988), mestrado em Direito pela Universidade de Columbia (1995), mestrado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1991), doutorado em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1998) e pós-doutorado pelo Centre for Brazilian Studies (St. Antonies College, Oxford University). É diretor da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas sendo também professor dessa Escola e da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, temporariamente afastado da segunda. É diretor jurídico da Conectas Direitos Humanos. Sua experiência profissional abrange as áreas de Direito Constitucional, Teoria da Constituição, Direito e Desenvolvimento, Direitos Humanos, bem como tem se dedicado as questões relacionadas ao Estado de Direito.

Rafael de Almeida Rosa Andrade

Possui graduação em Direito pela Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (2009). É atualmente advogado associado ao escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice, atuando na área de fusões e aquisições e mercado de capitais. É co-autor do livro “Poder Judiciário e Desenvolvimento do Mercado de Capitais”, publicado em 2008 pela editora Saraiva, além de outros artigos publicados em periódicos especializados. Vencedor dos concursos de monografia promovidos pela BM&F Bovespa e pela Fundação Getúlio Vargas nos anos de 2007 e 2008. É membro da Ordem dos Advogados do Brasil e do Instituto dos Advogados de São Paulo.

Marcia Ferreira Alves

Formada em Pedagogia, tem experiência profissional em representação e vendas, na área administrativa de produtora de vídeo bem como em empresa de coletagem e serviços ambientais.

obrigado pela colaboração!

Você receberá uma confirmação do cadastro por e-mail.

erro

Por favor verifique se todos os itens foram preenchidos.

A Bolsa Manutenção tem como objetivo garantir que jovens não sejam impedidos por suas condições socieconômicas a terem acesso a um ensino
superior de qualidade.
Confira aqui o Edital de Seleção de Alunos Para Concessão de Bolsas Manutenção em 2017.